Definitivamente uma das raças mas impressionantes de todas as que existem é o Chow-Chow, altivo e imponente, olhando-se bem parece um cruzamento entre um leão e um urso, mas na realidade sua verdadeira origem es desconhecida e se perde nas profundezas da antiguidade Acredita-se que durante o período Mioceno ( entre 28 a 12 milhões de anos atrás) a evolução do Hemicyon, um intermediário entre o Cynoelesmus (pai de todos os caninos) e o Daphoneus (de quem descendem os ursos como os conhecemos atualmente) originou o Simicyon, um animal de tamanho que variava entre a raposa e um urso pequeno que vivia nas regiões sub-Árticas, Sibéria e o Nordeste da Mongólia, do que se sabe que tinha 44 dentes. O Simicyon é considerado pelos cientistas como o ancestral do Chow-Chow

 
 

Não somente é parecido a um urso, mas também comparte com os pequenos ursos do Tibet e da Manchúria a característica da sua língua azul, o crânio largo, o focinho curto e o corpo quadrado, além disso enquanto é comum as outras raças caninas ter 42 dentes, o Chow-Chow tem 44 igual aos ursos, sendo que costumam perder estes dentes extras quando adultos. O Chow-Chow, ou um ancestral muito parecido estabeleceu-se nas estepes da Mongólia e da China Central muitos anos antes do Homo Sapiens.

 
 
O Chow-Chow como hoje é conhecido está representado nas cerâmicas e esculturas da dinastia Han (206 AC a 22 AC.) outros artefatos encontrados indicam que é uma raça muito mais antiga e pode ter vindo originalmente do Ártico, emigrando de ali até a Sibéria e a China.
 
 

Alguns estudosos afirmam que o Chow-Chow seria o ancestral do Samoieda, o Elkhound Norueguês, e o Pomerania. Se tem conhecimento de que em tempos mais recentes na época da dinastia T `Ang ( século VII DC.) o imperador Ling Ti, criava seus Chows como membros do palácio imperial, sendo alimentados com as melhores iguarias, dormindo em luxuosos tapetes, eram acompanhados por uma escolta militar e até recebiam títulos de nobreza e honrarias como a Ordem do Kai Fu. Estes cães eram para proteger os palácios e enfeitarlos com sua beleza e dignidade.

 

Nos mosteiros do Tibet se especializaram na criação do Chow-Chow azul, isto deve ter levado várias gerações, já que conseguiram aperfeiçoar uma cor azul claro. O Chows azuis eram e são até hoje utilizados nos monastérios para a proteção, caça e o pastoreio. Além disto, se diz que afugentam os maus espíritos.

Também se encontraram evidencias de que os imperadores da dinastia Tang tiveram até 2500 parelhas de cães Chow-Chows. No livro dos rituais, o Chow foi classificado como cão de caça usado para matar cães e leopardos. Nos mosteiros do Tibet se especializaram na criação do Chow-Chow azul, isto deve ter levado várias gerações, já que conseguiram aperfeiçoar uma cor azul claro. O Chows azuis eram e são até hoje utilizados nos monastérios para a proteção, caça e o pastoreio. Além disto, se diz que afugentam os maus espíritos.

 
 
O primeiro contato com o Chow Chow em Europa é feito quando Marco Pólo. Que visitou a China no século XII, os descreve nos relatos das suas viagens. Mas foi muito depois no século XV que foi trazido a Europa como uma curiosidade por marinheiros e mercadores, nos barcos da Companhia das Índias. O reverendo Gilbert Whites no seu livro "The Natural History and Antiquities of Seaborne”, descreve com precisos detalhes a importação de uma parelha de cães por um jovem cavaleiro da Companhia das Índias. Nele disse que eram espécimes “da raça China de Canton tal como são engordados neste pais para serem comidos” e continua: ”as patas traseiras são normalmente retas sem nenhuma dobra no joelho, os olhos são escuros pequenos e fundos, a língua, o lábio e a boca são da mesma cor azul”.
 
 

Alguns destes primeiros cães foram levados ao zoológico de Londres na zona de “cães selvagens”. Em 1865 foram presenteados a Reina Vitória Alguns Chow-Chows, os quais foram mantidos em gaiolas no castelo de Windsor.

Em 1879 uma cadela chamada “Chinese Puzzle” foi pela primeira vez numa exposição canina no Palácio de Cristal pelo seu proprietário Mr W K Taunton.

Em 1890 o primeiro Chow –Chow foi exibido numa exposição em América. Ela se chamava 'Takya' de propiedade da Srta A C Derby

 
    Criado por Maria Glória Espejo-Saavedra