O spitz alemão remonta da idade da pedra, a origem vem doTurfspitz (canis familiaris palustris) são as mais antigas raças de cães da Europa Central.
Muitas outras raças foram reproduzidas a partir delas. Nos países de língua não germânicas os wolfspitz são conhecidos como keeshonds e o Spitz anão como Pomerânia.
O nome Pomerânia deriva de uma pequena região agora compartilhada entre a Alemanha oriental e a Polônia ocidental.
A raça veio originalmente de lá, presumivelmente derivado de um Spitz
 
 

A Rainha Charlotte (a esposa do Rei George III) importou um casal da Inglaterra em 1767. Lhes  deu nome  de Phoebe e Mercúrio.

Ela gostou tanto da raça que mandou pintar vários quadros e, essas pinturas podem ser vistas em vários locais em Londres. Nestas pinturas está claro que o Pomerânia era substancialmente maior que a variedade moderna - pesando. talvez 12 quilos comparados ao moderno  de 2.5   quilos em média.

 

 

 
 

O envolvimento de Rainha Victoria foi de grande importância para o desenvolvimento da raça.

Embora ela fosse neta de Charlotte, ela parece não ter  encontrado com estes  cães até 1888 quando viajava pela Itália. Ela  obteve vários cães em Florença, e desenvolveu uma afinidade particular com a raça. Seu cãozinho favorito, o Turi estava ao seu lado quando morreu.

O interesse da Rainha Victoria teve um impacto pela  evolução de cães menores - o Pomerânia dela pesava aproximadamente 6 quilos.

 

 
 

O Kennel Clube da Inglaterra reconheceu a raça em 1870 mas até 1900 havia relativamente poucos exemplares competindo nas exposições.
O primeiro Pomerânia registrado pelo Kennel Clube americano (AKC) foi Dick em 1888.

 

 

 

Seu nome em diferentes regiões
Lulu é apelido da raça na França e no Brasil.
Pomerânia é o nome que americanos e canadenses usam e que em seus padrões deve ter de 1,3 a 3,1 quilos. Como a nossa criação se baseava na americana até 1986, muitos estão mais familiarizados com tal nome.
Spitz Alemão é o nome da raça no País de origem, a Alemanha, e adotado pela Federação Cinológica Internacional, que rege mais de 70 países, inclusive a maior parte da criação brasileira.